O Bolsa-família foi criado originalmente por FHC e a Estabilização da Economia, que permite vida melhor e MELHOR RENDA aos brasileiros mais pobres
é OBRA DE ITAMAR E FHC!

- O que não se perdoa ao Presidente FHC é o seu Sucesso! -

Aos Blogueiros Decentes
Ainda que teus passos pareçam inúteis, vai abrindo caminhos,
como a água que desce cantando da montanha. Outros te seguirão...
(Saint-Exupéry)


15 de agosto de 2011

Filhas de Itamar. E outros... filhos!

http://jornaldasvargens.com.br
Tenho como hábito destacar um fragmento da notícia, para comentá-la, e a leitura fica à critério dos meus dois leitores.
Neste caso, estou certo que não conseguiria retratar tão bem, como o fez o jornalista e escritor Fernando Molica (que não conheço), a quem eu envio meus cumprimentos pelo Artigo (em azul).

As discretas filhas de Itamar Franco
Com a morte de Itamar Franco, os brasileiros, enfim, puderam conhecer as filhas do ex-presidente. Exemplos raros de discrição, Juliana e Georgiana mantiveram-se longe dos flashes durante todo o período em que Itamar exerceu a Presidência. Elas só mostrariam seus rostos no velório do pai. Vale lembrar: os anos que antecederam à posse de Itamar foram marcados pelo exibicionismo do então presidente Fernando Collor, de seus parentes e amigos. Especialista na criação de fatos que gerassem notícias fúteis, Collor transformou em ritual suas corridas dominicais, adorava se mostrar pilotando jet-skis, chegou a pegar carona num caça da FAB.

A ânsia pela exibição marcava aquele grupo de deslumbrados com o poder e com suas aparências e oportunidades. Na chamada República de Alagoas, referência à origem política do presidente, mesmo a separação de Collor precisava ser alardeada. Numa solenidade pública, ele fez questão de mostrar a ausência da aliança em sua mão. Expulso da Presidência após o impeachment, Collor soube transformar em espetáculo até sua saída do Palácio do Planalto.
Em meio à tamanha exposição, jornais, revistas e TVs se assanharam com a ascensão de um novo presidente. Divorciado, era pai de duas jovens - tinham em torno de 20 anos. Nós, jornalistas, queríamos entrevistá-las, fotografá-las, transformá-las em celebridades. Publicações especializadas se excitavam diante de futuras capas, de reportagens que revelariam namoros, separações e escândalos. Uma das filhas do presidente haveria de ser vista com algum ator, que logo seria trocado pelo herdeiro de um empresário. A outra, quem sabe? Se envolveria com um jogador de futebol e acabaria flagrada em poses comprometedoras num baile funk ou numa boite depois de algumas doses a mais. Seria inevitável que uma das duas demonstrasse arrogância, um sabe-com-quem-você-está-falando, diante de um policial.
As expectativas foram frustradas. Até hoje ignoramos quem elas namoraram, com quem se casaram, se é que são casadas. Juliana e Georgiana não protagonizaram escândalos, não usaram o nome do pai. Pelo que se sabe, não levaram amigos para passear em avião da FAB, não receberam passaporte diplomático, não ganharam empregos públicos, não montaram consultorias nem frequentaram festas de empresários. Um comportamento que, pela correção, se destaca em nosso universo político. Solidário, o País agradece.

Trata-se da postura digna, honrada, decente e admirável das filhas do ex-presidente Itamar Franco.
Com esse texto renovamos o nosso sentimento que...
há Filhas!

e filhos...!

Enquanto essas pessoas admiráveis, honradas e decentes seguem a vida com dignidade, outros filhos seguem como seguem...

Filhos podem ser aproveitadores, desonestos e sem honra, mas isso não vem, simplesmente, do nada.
Há sempre o exemplo!

Filhos são decentes, dignos e honestos... mas isso não vem , simplesmente, do nada.
Parabéns à Itamar Franco e às suas Filhas Dignas e Honradas!

E os jovens brasileiros, que só conhecem o lado midiático da enga(parasitismo) nação (raça) e com a falta de conhecimento para comparar, vão "curtindo" a vida como se tivessem papel especial na escolha do "melhor".
E acabam escolhendo o melhor dos piores!

13 de agosto de 2011

Refletindo sobre a cena...

Há cena muda.
E a cena muda.

Acena muda

à cena muda
e
a cena muda.

Acena muda

Há cena muda...